Escolha a
Cidade:

ss
Login
Esqueci a senha

O que você faz

Transforma o mundo.


Voltar

Notícias



13/07/2017 | Voluntariado e... culpa?



“Parece que estou fazendo isso só para me sentir bem comigo mesma e aí me sinto culpada”.
A frase é de uma amiga com quem conversava, há alguns dias. O assunto era o voluntariado. E a dúvida era essa: será que ela trabalhava para ajudar, de fato, os outros ou era só para se sentir bem com ela mesma?
A preocupação dela é mais comum do que se imagina. E tem uma razão simples: fazer o bem faz bem. Mas, espera: eu não deveria estar me “doando”? Fazendo um sacrifício em prol dos outros?
Não!
Trabalho voluntário não é só ajudar os outros: é ajudar, também, a si mesmo. Soa como egoísmo, mas não é.
É o que explica o psicólogo Ronaldo Eugênio Barboza, gestor do projeto Sou Cidadão no Centro de Ação Voluntária de Curitiba (CAV). “O caminho para lidar com o conflito entre a alegria e o medo de estar sendo movido por certo egoísmo é aceitar que neste processo há sim certo egoísmo, mas não o mau egoísmo. Ao aceitar o processo, a culpa tende a se dissolver”, explica.
“Todos queremos nos sentir bem e podemos buscar esta sensação de várias formas, inclusive fazendo o bem. Não deixemos de lado a perspectiva de que o maior beneficiado pela ajuda pode não ser o ajudado, mas, sim, quem presta a ajuda”, completa.
Ajudar alguém é bom. Sentir-se bem por isso… Por que não?
A ideia de que o voluntariado é um sacrifício - de que você precisa abrir mão da diversão, do seu tempo, da sua energia para melhorar a vida de alguém - não é apenas errada, mas prejudicial. Não, voluntariado não é sacrifício. Não precisa consumir suas energias, seu tempo ou você.
Voluntariado é diversão, distração e deixa a gente feliz. Voluntariado faz bem. Faz bem para o ego, inclusive - permita-se sentir orgulho. Compartilhe suas iniciativas. Faça o bem e conte para todo mundo. Nessa, você vai perceber que pode arrastar muita gente junto.
“Não precisamos fazer o bem para sermos vangloriados, mas sim para mostrar aos outros que é possível. Assim, eles se sentirão motivados a ajudar-nos em nossas ações ou ainda a desenvolverem ações semelhantes, onde quer que estejam”, completa Eugenio.
O psicólogo afirma que a divulgação de ações positivas pode sim influenciar os demais. “Pode fomentar mais ações semelhantes, porque se vê que é possível fazer alguma coisa e, inclusive, para quem não sabe como fazer, passa a ser possível juntar-se a um grupo de pessoas que já está fazendo. O exemplo de outros será sempre muito importante”.
Que tal então praticar uma boa ação e sair por aí espalhando para seus amigos? Publique sua atividade voluntária nas redes sociais e mostre o quanto é bom e feliz fazer o bem! #acaovoluntaria
 
Mariana Ohde, jornalista voluntária do CAV - Centro de Ação Voluntária de Curitiba.
 
Texto escrito originalmente para o blog Giro Sustentável do Instituto GRPCOM para o mês de julho de 2017.
 

CLASSIFICADOS SOCIAIS >> ver todos

  • OFICINA DE ESPORTES -

    Habilidade em tratar com as crianças. Que saiba desenvolver oficinas de esportes,...

    Leia mais(+)
  • manutenção predial

    ter disponibilidade e vontade para trabalhos com manutenção, pintura,reposição de...

    Leia mais(+)
  • Auxiliar de Cozinha

    Ser Ágil, ter experiencias com cozinha, ser dinâmico, comunicativo, pois auxilar na...

    Leia mais(+)


Últimas no Twitter

Centro de Ação Voluntária de Curitiba - Todos os direitos reservados - Termos de uso